Maker’s schedule, Manager’s schedule

“…the mere consciousness of an engagement will sometimes worry a whole day.”

Charles Dickens

One reason programmers dislike meetings so much is that they’re on a different type of schedule from other people. Meetings cost them more.

There are two types of schedule, which I’ll call the manager’s schedule and the maker’s schedule. The manager’s schedule is for bosses. It’s embodied in the traditional appointment book, with each day cut into one hour intervals. You can block off several hours for a single task if you need to, but by default you change what you’re doing every hour.

When you use time that way, it’s merely a practical problem to meet with someone. Find an open slot in your schedule, book them, and you’re done.

Most powerful people are on the manager’s schedule. It’s the schedule of command. But there’s another way of using time that’s common among people who make things, like programmers and writers. They generally prefer to use time in units of half a day at least. You can’t write or program well in units of an hour. That’s barely enough time to get started.

When you’re operating on the maker’s schedule, meetings are a disaster. A single meeting can blow a whole afternoon, by breaking it into two pieces each too small to do anything hard in. Plus you have to remember to go to the meeting. That’s no problem for someone on the manager’s schedule. There’s always something coming on the next hour; the only question is what. But when someone on the maker’s schedule has a meeting, they have to think about it.

For someone on the maker’s schedule, having a meeting is like throwing an exception. It doesn’t merely cause you to switch from one task to another; it changes the mode in which you work.

I find one meeting can sometimes affect a whole day. A meeting commonly blows at least half a day, by breaking up a morning or afternoon. But in addition there’s sometimes a cascading effect. If I know the afternoon is going to be broken up, I’m slightly less likely to start something ambitious in the morning. I know this may sound oversensitive, but if you’re a maker, think of your own case. Don’t your spirits rise at the thought of having an entire day free to work, with no appointments at all? Well, that means your spirits are correspondingly depressed when you don’t. And ambitious projects are by definition close to the limits of your capacity. A small decrease in morale is enough to kill them off.

Each type of schedule works fine by itself. Problems arise when they meet. Since most powerful people operate on the manager’s schedule, they’re in a position to make everyone resonate at their frequency if they want to. But the smarter ones restrain themselves, if they know that some of the people working for them need long chunks of time to work in.

Our case is an unusual one. Nearly all investors, including all VCs I know, operate on the manager’s schedule. But Y Combinator runs on the maker’s schedule. Rtm and Trevor and I do because we always have, and Jessica does too, mostly, because she’s gotten into sync with us.

I wouldn’t be surprised if there start to be more companies like us. I suspect founders may increasingly be able to resist, or at least postpone, turning into managers, just as a few decades ago they started to be able to resist switching from jeans to suits.

How do we manage to advise so many startups on the maker’s schedule? By using the classic device for simulating the manager’s schedule within the maker’s: office hours. Several times a week I set aside a chunk of time to meet founders we’ve funded. These chunks of time are at the end of my working day, and I wrote a signup program that ensures all the appointments within a given set of office hours are clustered at the end. Because they come at the end of my day these meetings are never an interruption. (Unless their working day ends at the same time as mine, the meeting presumably interrupts theirs, but since they made the appointment it must be worth it to them.) During busy periods, office hours sometimes get long enough that they compress the day, but they never interrupt it.

When we were working on our own startup, back in the 90s, I evolved another trick for partitioning the day. I used to program from dinner till about 3 am every day, because at night no one could interrupt me. Then I’d sleep till about 11 am, and come in and work until dinner on what I called “business stuff.” I never thought of it in these terms, but in effect I had two workdays each day, one on the manager’s schedule and one on the maker’s.

When you’re operating on the manager’s schedule you can do something you’d never want to do on the maker’s: you can have speculative meetings. You can meet someone just to get to know one another. If you have an empty slot in your schedule, why not? Maybe it will turn out you can help one another in some way.

Business people in Silicon Valley (and the whole world, for that matter) have speculative meetings all the time. They’re effectively free if you’re on the manager’s schedule. They’re so common that there’s distinctive language for proposing them: saying that you want to “grab coffee,” for example.

Speculative meetings are terribly costly if you’re on the maker’s schedule, though. Which puts us in something of a bind. Everyone assumes that, like other investors, we run on the manager’s schedule. So they introduce us to someone they think we ought to meet, or send us an email proposing we grab coffee. At this point we have two options, neither of them good: we can meet with them, and lose half a day’s work; or we can try to avoid meeting them, and probably offend them.

Till recently we weren’t clear in our own minds about the source of the problem. We just took it for granted that we had to either blow our schedules or offend people. But now that I’ve realized what’s going on, perhaps there’s a third option: to write something explaining the two types of schedule. Maybe eventually, if the conflict between the manager’s schedule and the maker’s schedule starts to be more widely understood, it will become less of a problem.

Those of us on the maker’s schedule are willing to compromise. We know we have to have some number of meetings. All we ask from those on the manager’s schedule is that they understand the cost.

Text extracted from http://www.paulgraham.com/makersschedule.html

Gestão da Carreira

Mais uma anotação dos cursos que estou fazendo. É um curso da empresa SapiênCia.

  • Segundo Douglas T. Hall carreira é um conjunto de atitudes, comportamentos e atividades que resultam em experiência e conduzem as pessoas a obterem sucesso em suas vidas profissionais.
  • Sem desejo você não conseguirá alcançar seus objetivos. Caso ainda não tenha certeza do que quer, explore algumas opções, consulte pessoas de sua confiança, peça conselhos e pesquise profissões que lhe agradam. O desejo é o que o levará a uma decisão.
  • A decisão é o que leva você a agir e transformar um plano em metas definidas. É a decisão que dá ação ao sonho, para transformá-lo em realidade. Porém, a ação não caminha sozinha, ela precisa de uma energia chamada dedicação.
  • Dedicação é o empenho e o esforço que você emprega na busca do que deseja. Você só consegue manter a dedicação se tive determinação.
  • É a determinação que motiva a superar os obstáculos, a vencer os desafios e a continuar na perseguição dos objetivos, realinhando e ajustando o plano de carreira para competir pelas oportunidades e atingir as metas, alcançando os objetivos. Nessa jornada, você precisará de discernimento.
  • Por meio do discernimento, você poderá avaliar o que já foi realizado e as oportunidades que ainda virão.
  • Você precisará ter muita disciplina para seguir rumo às metas, sem se distrair nem desviar do caminho traçado.
  • Ao observar os 6Ds, podemos concluir que o sucesso na carreira depende não só do conhecimento técnico que aplicamos na execução de um projeto, mas também do próprio empenho, ou seja, daquela força que temos dentro de nós: a paixão.
  • Mas, de nada adianta ter paixão se não houver planejamento.
  • Em suas decisões, reveja as metas estabelecidas periodicamente, para realizar os ajustes quando necessário. Lembre-se de que um plano nunca é definitivo.
  • Procure conhecer a si mesmo e identificar suas aptidões, interesses e características de personalidade, pois são fatores importantes para o desempenho da profissão de forma competente e produtiva. Quanto mais você conhecer a si mesmo, mais fácil será tomar decisões.
  • O autoconhecimento permite:
    • saber o que se quer
    • conhecer suas próprias limitações
    • conhecer suas forças
    • conhecer pensamentos, crenças e valores
    • saber o que se sente
  • Resumo
    • Estabeleça metas de curto, médio e longo prazo e determine prazos para as metas, pois, quanto mais claro for o objetivo, mais chances você terá de concretizá-lo e de tomar as decisões corretas.
    • É importante que você organize suas finanças pessoais com base nas metas, definindo os recursos que serão necessários para realizá-las. Verifique a possibilidade de economizar e procure se programar para eventualidades mantendo uma reserva financeira.
    • Fique atenta às novas tendências, pois elas podem ser grandes oportunidades de carreira.
    • Em suas decisões, reveja as metas estabelecidas periodicamente, para realizar os ajustes quando necessário. Lembre-se de que um plano nunca é definitivo.
    • Avalie-se quanto às características pessoais e de personalidade. Descubra seus limites, desejos, medos e aspirações sinceras. Desse modo, as chanves de evitar erros são maiores.
    • Seu comportamento pode contribuir para um bom relacionamento com os colegas de trabalho. Tenha em mente que as pessoas também podem ajudá-lo a atingir seus objetivos profissionais.
    • As emoções, como raiva, ansiedade, angústia, medo, prazer, alegria e tristeza, afetam o desempenho profissional. saber administrá-las é fator determinantes para potencializar seu desempenho e obter sucesso.
  • É importante que você tenha pelo menos uma atividade pessoal por dia em sua agenda, além dos fins de semana.

Profissional de alto desempenho

Olá, este é mais um curso que fiz no meu novo trabalho e que quero compartilhar com vocês. Feito pela empresa SapiênCia em parceria com Pedro Mandelli. O curso “Profissional de alto desempenho” leva o aluno a refletir sobre sua postura profissional e instiga-o a rever suas práticas ao construir uma carreira de sucesso.

  • Atuar com foco em resultados
  • Assumir riscos
  • Buscar inovação constantemente
  • Ver o trabalho em equipe como oportunidade de aprendizado e crescimento profissional
  • Responsabilizar-se por seu próprio desenvolvimento
  • Duas competências fundamentais para o profissional moderno:
    • Ter a consciência do cenário enfrentado pelas empresas
    • Fazer um autodiagnóstico claro e preciso das próprias falhas e capacidades profissionais
  • O autodiagnóstico permite que o profissional tome consciência de comportamentos que:
    • o ajudam a realizar tarefas
    • o atrapalham na execução de tarefas e
    • o ajuda mas nem sempre colaboram para os resultados da organização
  • Benefícios em assumir riscos
    • melhora da qualidade de seu trabalho
    • desenvolvimento de aptidões gerenciais
    • aumento de seu comprometimento, motivação e desempenho
    • ampliação de seu grau de responsabilidade sobre aspectos operacionais e gerenciais
    • ampliação de aptidões e conhecimento e sua disponibilização ao departamento
    • colaboração com o aumento da velocidade de resposta de sua área
    • colaboração para obtenção de melhores resultados
    • Resumo
      • diante de problemas e obstáculos encontrados em nosso cotidiano, não podemos ficar de braços cruzados
      • um profissional com desempenho acima da média se responsabiliza pela tomada de decisão e se compromente com os riscos inerentes a ela
      • antes de decidir, identifique possíveis soluções e avalie os riscos relacionados a elas.
  • Inovando para ganhar credibilidade
    • é preciso ampliar seu nível de exposição na empresa para, assim, aumentar sua credibilidade profissional
    • para estar mais exposto na organização é preciso inovar
    • para conduzir projetos inovadores, você deve estar preparado para interagir com o sistema social da organização
    • antes de inovar é preciso avaliar o tamanho de sua ideia e adequa-la ao tamanho de sua credibilidade na empresa
    • para transformar sua proposta em um projeto viável, você deve contar com o  apoio de um patrocinador e estabelecer parcerias

Significado do Trabalho

Ingressei em meu novo emprego há uns dias e venho fazendo os cursos de treinamento e ambientação. E me surpreendi com estes, pois são de alta qualidade. Muitas pessoas acham chato fazer este tipo de treinamento, mas eu gosto de sempre aprender e revisar meus conhecimentos, mesmo que sejam do campo filosófico, ético e social. É um curso da empresa SapiênCia em conjunto com o Ricardo Guimarães da Thymus Branding. Então segue aqui um resumo em tópicos do conteúdo.

Objetivo: Gerar compreensão e reflexão profunda sobre o Significado do Trabalho no mundo atual e o seu impacto para o indivíduo, a equipe, a empresa, o mercado e a sociedade.

  • Pirâmide de maslow: físico/material, emocional e filosófico.
  • “Quanto mais significado melhor”
  • Busque cada vez mais significado no trabalho
  • O Taylorismo fez com que nossa sociedade fosse mais produtivo num cenário previsível e instável. Mas com a tecnologia da informação o mundo se tornou globalizado e hoje precisamos de pessoas sensíveis, capazes de aprender e evoluir.
  • Esse novo mundo humaniza as empresas, pois precisa da capacidade delas de pensar e adaptar. Não somos mais peças de um sistema fabril.
  • Hoje temos que formar o indivíduo antes do funcionário, pois o indivíduo é sensível e evolui.
  • Será o vencedor não o mais forte mas o mais ágil.
  • Livro: Power to the Edge. David S. Alberts, Richard E. Hayes (2003). Download
  • A vida no aquário é artificial e a vida no oceano é como ela é
  • A vida no oceano é uma negociação permanente
  • Você vive no aquário, onde o seu dono coloca oxigênio e comida na hora certa ou você vive no oceano onde tem que lutar pela sua sobrevivência?
  • 2 capacidades: criar valor e gerenciar risco
  • Significado e sucesso profissional: o que funciona para mim, e para a equipe, e para a área, e para a empresa, e para o mercado, e para a sociedade, e para o planeta.
  • Quanto mais significado mais satisfação
  • By the book, fazer segundo o manual. By the soul, fazer seguindo a a alma.
  • Atitude by the soul constrói autonomia de pensamento.
  • Significado, meta e norte.
  • Planejar é prever ações que permitam sair do ponto A para o ponto B
  • Exemplo do enxame de abelhas que persegue um norte e tem uma meta. Quando o alvo muda de lugar imediamente o grupo se autoorganiza para cumprir a meta e continuar perseguindo o norte. Outro indivíduo mais capacitado assume a liderança e o grupo todo consegue cumprir a meta e chegar ao norte.
  • Como eles conseguem?
    • todos os membros do enxame sabem que são abelhas, tem clareza da sua identidade como indivíduo e como grupo.
    • todos sabem o que procuram. Conhecem o alvo
    • cada um tem a consciência da sua posição que ocupa no grupo e da sua responsabilidade individual
    • todos sabem ler cenários e comunicar o que vem ao grupo
  • “Todo artista é escravo do seu dom”
  • Keith Jarred
  • O fazer pelo fazer bem feito
  • Tire o máximo de significado do seu trabalho pelo simples prazer de fazer bem feito, inteiro, com alma. E sem lamentos por pior que sejam as condições. O resto, prestígio e dinheiro e reconhecimento virão por consequência.

Ps.: esta é uma versão inicial, posteriormente estruturar e formatar melhor o texto.