Maker’s schedule, Manager’s schedule

“…the mere consciousness of an engagement will sometimes worry a whole day.”

Charles Dickens

One reason programmers dislike meetings so much is that they’re on a different type of schedule from other people. Meetings cost them more.

There are two types of schedule, which I’ll call the manager’s schedule and the maker’s schedule. The manager’s schedule is for bosses. It’s embodied in the traditional appointment book, with each day cut into one hour intervals. You can block off several hours for a single task if you need to, but by default you change what you’re doing every hour.

When you use time that way, it’s merely a practical problem to meet with someone. Find an open slot in your schedule, book them, and you’re done.

Most powerful people are on the manager’s schedule. It’s the schedule of command. But there’s another way of using time that’s common among people who make things, like programmers and writers. They generally prefer to use time in units of half a day at least. You can’t write or program well in units of an hour. That’s barely enough time to get started.

When you’re operating on the maker’s schedule, meetings are a disaster. A single meeting can blow a whole afternoon, by breaking it into two pieces each too small to do anything hard in. Plus you have to remember to go to the meeting. That’s no problem for someone on the manager’s schedule. There’s always something coming on the next hour; the only question is what. But when someone on the maker’s schedule has a meeting, they have to think about it.

For someone on the maker’s schedule, having a meeting is like throwing an exception. It doesn’t merely cause you to switch from one task to another; it changes the mode in which you work.

I find one meeting can sometimes affect a whole day. A meeting commonly blows at least half a day, by breaking up a morning or afternoon. But in addition there’s sometimes a cascading effect. If I know the afternoon is going to be broken up, I’m slightly less likely to start something ambitious in the morning. I know this may sound oversensitive, but if you’re a maker, think of your own case. Don’t your spirits rise at the thought of having an entire day free to work, with no appointments at all? Well, that means your spirits are correspondingly depressed when you don’t. And ambitious projects are by definition close to the limits of your capacity. A small decrease in morale is enough to kill them off.

Each type of schedule works fine by itself. Problems arise when they meet. Since most powerful people operate on the manager’s schedule, they’re in a position to make everyone resonate at their frequency if they want to. But the smarter ones restrain themselves, if they know that some of the people working for them need long chunks of time to work in.

Our case is an unusual one. Nearly all investors, including all VCs I know, operate on the manager’s schedule. But Y Combinator runs on the maker’s schedule. Rtm and Trevor and I do because we always have, and Jessica does too, mostly, because she’s gotten into sync with us.

I wouldn’t be surprised if there start to be more companies like us. I suspect founders may increasingly be able to resist, or at least postpone, turning into managers, just as a few decades ago they started to be able to resist switching from jeans to suits.

How do we manage to advise so many startups on the maker’s schedule? By using the classic device for simulating the manager’s schedule within the maker’s: office hours. Several times a week I set aside a chunk of time to meet founders we’ve funded. These chunks of time are at the end of my working day, and I wrote a signup program that ensures all the appointments within a given set of office hours are clustered at the end. Because they come at the end of my day these meetings are never an interruption. (Unless their working day ends at the same time as mine, the meeting presumably interrupts theirs, but since they made the appointment it must be worth it to them.) During busy periods, office hours sometimes get long enough that they compress the day, but they never interrupt it.

When we were working on our own startup, back in the 90s, I evolved another trick for partitioning the day. I used to program from dinner till about 3 am every day, because at night no one could interrupt me. Then I’d sleep till about 11 am, and come in and work until dinner on what I called “business stuff.” I never thought of it in these terms, but in effect I had two workdays each day, one on the manager’s schedule and one on the maker’s.

When you’re operating on the manager’s schedule you can do something you’d never want to do on the maker’s: you can have speculative meetings. You can meet someone just to get to know one another. If you have an empty slot in your schedule, why not? Maybe it will turn out you can help one another in some way.

Business people in Silicon Valley (and the whole world, for that matter) have speculative meetings all the time. They’re effectively free if you’re on the manager’s schedule. They’re so common that there’s distinctive language for proposing them: saying that you want to “grab coffee,” for example.

Speculative meetings are terribly costly if you’re on the maker’s schedule, though. Which puts us in something of a bind. Everyone assumes that, like other investors, we run on the manager’s schedule. So they introduce us to someone they think we ought to meet, or send us an email proposing we grab coffee. At this point we have two options, neither of them good: we can meet with them, and lose half a day’s work; or we can try to avoid meeting them, and probably offend them.

Till recently we weren’t clear in our own minds about the source of the problem. We just took it for granted that we had to either blow our schedules or offend people. But now that I’ve realized what’s going on, perhaps there’s a third option: to write something explaining the two types of schedule. Maybe eventually, if the conflict between the manager’s schedule and the maker’s schedule starts to be more widely understood, it will become less of a problem.

Those of us on the maker’s schedule are willing to compromise. We know we have to have some number of meetings. All we ask from those on the manager’s schedule is that they understand the cost.

Text extracted from http://www.paulgraham.com/makersschedule.html

IHOP is best than Starbucks

I used to always go to Starbucks to work and have a good coffee, but today I tried something different: IHOP and I am delighted for being open minded, because IHOP has a bigger table, a more comfortable seat, coffee refil, many types of meals and I don’t need to order at cashier.

In the IHOP the internet is good, but don’t have wifi in all IHOPs, you need to check first. The air conditioner is not too strong, because in Starbucks I almost freezing.

Starbucks has advantage in: more power jacks, more types of coffee, fast service, internet speed and more interaction with people.

The others characteristics are equals: good ambient music, good food and drinks, availability, parking, etc.

And you, what do you prefer?

 

Just as referencial, I am at this IHOP and I already gone to many Starbucks in Los Angeles.

Campus Party – TOP 10 checklist e dicas #CPBR

620-310-0-0

Depois de muitos anos (4 anos/edições) como campuseiro vi que preciso de um checklist para aproveitar melhor o evento e não passar por problemas, dificuldades, desconfortos. E aproveito para passar dicas para os novatos também.

582615-970x600-1

CHECKLIST

  1. Ventilador, aquele pequeno usb de preferência. Porque a CPBR sempre acontece no final de janeiro, verão, com temperaturas maiores que 30 graus e a sensação térmica dentro do pavilhão pode chegar a 40 graus devido a quantidade de pessoas e máquinas ligadas. Pode ser comprado facilmente na Santa Efigênia.
  2. Roupa de cama e banho. Pois quem vai acampar precisa e só é fornecido a barraca.
  3. Colchão inflável ou colchonete, como já disse, só é fornecida a barraca.
  4. Cadeados para a barraca, pode ser aqueles de mala. Então quem trouxer o da mala já pode reaproveitar.
  5. Trancas de computador, notebook, laptop. Para poder deixar sua máquina na bancada sem se preocupar.
  6. Lanches e snacks. Itens não perecíveis como: salgadinhos, biscoitos, bolachas, toddynho, etc são sempre um alívio para passar a fome. Tem uma praça de alimentação mas os preços são mais caros que o normal. Para quem come muito recomendo que compre o pacote de alimentação (Catering) antes do evento, que conta com: café da manhã, almoço e janta. Mas também tem um restaurante dentro da campus com: self-service, pizzas e marmita.
  7. T de tomada ou régua de tomada.Tem muitos pontos de energia, mas você sempre vai precisar de mais um.
  8. Roteador Wireless ou switch. Tem muitos pontos de rede mas você vai precisar de mais. E o roteador Wireless é importante para os celulares, pois o evento só disponibiliza pontos de rede.
  9. Máscara de dormir para quem tem dificuldade de dormir com muita luz, pois o evento funciona 24h, as luzes não apagam nem no camping.
  10. Fone de ouvido, para ouvir seu próprio som ou para dormir, porque o barulho é 24h também.

acampamento-campus-party-2014

DICAS

  1. Chegue cedo no dia da abertura. Mesmo a abertura acontecendo somente à noite, os portões são abertos bem cedo. Então para conseguir uma bancada bem localizada e pegar menos filas é importante chegar cedo.
  2. Ir de caravana é bem legal, pois você faz vários amigos, racha o dinheiro do transporte e ainda tem comodidades dependendo da animação e organização da sua caravana. Fui 2 anos de caravana e vale muito a pena.
  3. Se você quiser assistir várias palestras ao mesmo tempo, sugiro que fique sentado na bancada e acompanhe pelo internet o streaming. Porque aí você consegue ver um pedacinho de cada e evita ficar correndo à toa.
  4. Fique ligado no twitter/instagram/facebook de todas empresas que estiverem na CPBR, pois eles estão lá para conquistar você como cliente e dar brindes. Eles organizam diversas brincadeiras e desafios, basta seguir para ficar por dentro.
  5. Registre seus equipamentos para diminuir as chances de roubos e furtos.
  6. Não se preocupe com a estrutura do banho, eles montam vestiários, com baias, porta sanfonada, chuveiro quente e penduradores. E os banheiros são do próprio local (pavilhão do Anhembi atualmente).
  7. Tem água de graça mas recomendo levar uma garrafa para reabastecer.
  8. Se você é friorento leve um casaco pois de noite dá uma esfriada.
  9. O traje é o que você se sentir melhor. A maioria fica com roupa de ficar em casa mesmo: bermuda, camiseta e chinelo. Mas pode usar seu estilo que a party é democrática, aceita todos os tipos.
  10. Tem um ônibus transfer do evento para o metrô, de 30 em 30 minutos.
  11. Cuidado com a fila na hora de ir embora. Porque tem que passar as malas pelo detector de metais e verificar os equipamentos de todos.
  12. E por final, se alguém gritar: OooOOoOOOoOouuuu!!! Responda imediatamente para fazer parte do coro. Ninguém sabe ao certo o motivo nem quem começou com isso, mas virou uma tradição.

Então é isso, se gostou compartilhae se tiver algo a complementar ou criticar, deixe sua mensagem aqui nos comentários.

Fui!

 

Angular Material Design vs Polymer vs SB Admin Bootstrap

Neste post vou documentar minha pesquisa para a escolha da melhor biblioteca de web component, para um projeto web mobile, utilizando AngularJS.

Angular Material

O projeto Angular Material é uma implementação do Material Design em AngularJS. Esse projeto provê um conjunto de reutilizáveis, bem testados e acessíveis componentes UI, baseados no sistema Material Design. Similar à coleção Paper elements do projeto Polymer, Angular Material é suportado internamente pelo Google, pelo AngularJS, Material Design UX e outros times de produtos.

Esta opção é a que mais me agrada, visto que trabalha muito bem com o AngularJS, que já é certeza no projeto.

Polymer

A biblioteca Polymer foi feita para tornar mais rápido e fácil, para os desenvolvedores, criar maravilhosos e reutilizáveis componentes para os navegadores modernos.

Em geral, ele foca no uso de componentes web. Cria elementos customizados e evolui tanto quanto a web evolui. Até o momento, só suporta as últimas versões dos navegadores modernos. Segue uma imagem que explica a arquitetura do Polymer.

Esta opção é um vislumbre das novas possibilidades que o HTML5 e os novos componentes web podem nos oferecer.

Ionic

Ionic é um ótimo open source front-end SDK para desenvolvimento de apps híbrido mobile com tecnologias web como: HTML5, CSS e Javascript. Ionic é focado no “look and feel” e interações UI para um app. Atualmente utiliza AngularJS.

Porém, o Ionic está descartado do meu estudo, visto que o foco do meu projeto é web e ele, apesar de ter uma boa atuação web, é focado no mobile, por isso não garante perfeita execução nos navegadores web. Isto é dito na própria documentação do Ionic.

http://ionicframework.com/docs/overview/#browser-support

É provável que, em um futuro não tão distante, seja criada uma branch do projeto utilizando Ionic para uma versão totalmente mobile. Mas isso também depende do lançamento oficial do Angular 2.0 e outras decisões arquiteturais.

SB Admin 2

É um tema administrativo, painel de controle (dashboard), ou aplicação web UI, baseado em Bootstrap, juntamente com o poderoso plugin jQuery e funcionalidades herdadas.

Esta opção é a que menos considero, porque o Bootstrap está desgastado, mesmo que com uma grande comunidade e número de plugins e aplicações. Levando em consideração que o AngularJS é certeza no projeto e que ele sempre precisou de muitas adaptações/plugins/modules/gambiarras para que o bootstrap rodasse bem com ele, seria trabalhoso utilizá-lo. Se não existisse o Angular Material esta opção seria a minha favorita.

Então, qual a diferença entre Polymer e Angular Material?

Angular Material já está adaptado para trabalhar com AngularJS, utilizando diretivas e services. O Polymer é uma biblioteca para criação de componentes web personalizados. Angular Material utiliza a biblioteca Paper elements do Polymer, então, eles não são inimigos, são tecnologias amigas que caminham juntas, porém com um foco diferente.

Diretivas Angular vs Custom Elements

Polymer (mais especificamente Shadow DOM) provê a habilidade para compor JS, CSS e HTML encapsulado em componentes personalizados, assim como as diretivas AngularJS.

As diretivas Angular são conceitualmente similares aos Custom Elements, mas elas são implementadas sem o uso da API para componentes web. Diretivas Angular é uma maneira para construir elementos personalizados, e Polymer e a especificação de componentes web são os padrões-base de como fazer isso.

Similar ao AngularJS, Polymer Elements provê um template e bi-direcional data binding. Entretanto, eles também provêm funcionalidades como o Shadow DOM, que permite encapsulamento do CSS. Diretivas Angular não tem nenhuma noção de encapsulamento de estilo, mas é esperado que isto seja incorporado por uma eventual nova funcionalidade.

No futuro, ambos poderão ser usados conjuntamente. Porque custom elements serão o DOM, eles irão trabalhar sem problemas com frameworks como AngularJS. O time do AngularJS disse que eles irão eventualmente usar a API de Web components (custom elements, Shadow DOM, etc).

Conclusão

Utilizarei o Angular Material, pois, além de ter grandes qualidades do Polymer, ele tem o AngularJS por trás tornando-o mais forte e vivo por mais tempo. Nada é eterno, principalmente neste mundo da tecnologia, mas sabemos que um poderoso framework, mantido por uma poderosa organização (Google), sempre leva vantagem. E como o Angular Material já nasceu feito para o AngularJS, ele se destaca em relação ao Polymer. Contudo, acredito que em breve o Polymer seguirá o mesmo caminho e será uma ótima opção, juntamente com o Angular 2.0.

Angular 2.0 é outro assunto que precisa ser estudado, mas ainda é cedo para este projeto. De qualquer forma, deixarei links aqui no final para leitura complementar, casos se interessem.

“May the Force be with you”

Leitura complementar

http://ng-learn.org/2014/12/Polymer/

http://www.sitepoint.com/whats-new-in-angularjs-2/

Angular 2.0

http://stackoverflow.com/questions/18089075/what-is-the-difference-between-polymer-elements-and-angularjs-directives

http://www.binpress.com/blog/2014/06/26/polymer-vs-angular/

Yeoman-polymer

http://www.html5rocks.com/en/tutorials/webcomponents/yeoman/?redirect_from_locale=pt

https://developers.google.com/web/updates/2014/01/Yo-Polymer-A-Whirlwind-Tour-Of-Web-Component-Tooling

http://jcrowther.io/2015/05/26/using-polymer-webcomponents-with-angular-js/

http://www.2ality.com/2014/07/angularjs-vs-polymer.html

http://www.oyecode.com/2015/05/angularjs-20-or-polymer-open-discussion.html

https://dzone.com/articles/typed-front-end-with-angular-2

Motociclista sempre corre riscos – Homenagem ao Fábio Pompermayer

Vou postar este texto que vi no fórum do KNB em homenagem ao Fábio Pompermayer. Não o conhecia, mas pela vivência no fórum sei que era um grande motociclista, consciente, equilibrado e mesmo assim veio a sofrer um acidente e falecer. Todos motociclistas de Brasília estão muito sentidos com essa perda. Que o Fábio esteja em um bom lugar e que Deus abençoe sua família e todos amigos motociclistas que ele conquistou.


“Pilotar motocicleta entre o céu e o asfalto é correr risco de não ter tempo pra mais nada.
Pegar a estrada com irmãos de fé e destino é correr risco de não querer voltar mais.
Ajudar um motociclista na estrada é correr risco de conquistar sua amizade e cumplicidade para sempre.
Contar as tuas histórias de motociclista pra outrem é correr risco de libertá-lo de uma escravidão e transformá-lo em motociclista.
Defender teus sonhos e ideais no motociclismo é correr risco das pessoas entenderem porque elas fazem terapia.
Seguir a tua paixão sem medir pequenas consequências é correr risco de se livrar de um monte de grandes consequências.
Viver a todo momento sobre uma motocicleta é correr risco de não conseguir mais sair de cima dela.
Estar de motocicleta numa estrada desconhecida é correr risco de descobrir gente e lugares que jamais esqueceremos.
Vida sem riscos não faz sentido, sem muito sentido é viver a vida sem riscos.
É possível viver a vida sem correr nenhum risco, sem risco entre sonho e pesadelo, sem risco entre confiança e insegurança, sem risco entre atenção e desprezo, sem risco entre existir e vegetar, sem risco entre nada.
É possível viver a vida sem correr nenhum risco, pra evitar sofrimentos e desilusões, mas que só evitam riscos, e grandes oportunidades.
De sentir, de aprender, de mudar, de crescer, de amar, de viver.


Corram riscos de motocicleta, mas não com a motocicleta.
Façam as suas escolhas e boa viagem.”


[Atualizando] texto original escrito pelo Reinaldo Brosler